MITOS SOBRE A DISFUNÇÃO ERÉTIL

Hipócrates, o pai da medicina, disse: “De fato, existem duas coisas: ciência e opinião; a primeira gera conhecimento, a segunda a ignorância”. Essas palavras ainda soam verdadeiras hoje.

Muitos dos mitos e lendas sobre a impotência, nascidos da ignorância há milhares de anos, ainda influenciam nossa cultura sexual. As culturas primitivas acreditavam que a virilidade masculina estava intrinsecamente entrelaçada com poder, riqueza e dominação.

Portanto, não é de surpreender que ainda existam crenças em várias culturas que carecem de virilidade ou, pior ainda, de serem impotentes, carecem da própria essência da vida. A masculinidade e a “capacidade de realizar” estão intrinsecamente ligadas, de modo que a impotência é vista como uma “falta de masculinidade”.

Apesar do século XX ter provocado mudanças radicais nos papéis de gênero, nos níveis étnico, econômico, social e cultural, a sexualidade e a impotência ainda estão envoltas em mistério, sigilo e muita confusão.

Mito 1 – “Homens de verdade” não experimentam impotência

TODOS os homens com mais de 30 anos experimentam impotência pelo menos uma vez na vida. Estima-se que mais de 150 milhões de homens em todo o mundo tenham impotência; de fato, os relatórios sugerem que esse número pode chegar a 300 milhões ou mais. É difícil estimar os números, porque menos de 2 homens em cada 10 procuram tratamento para problemas de impotência.

Impotência (ou disfunção erétil) é definida como a incapacidade de produzir e manter uma ereção suficiente para a relação sexual. A impotência não é considerada como incluindo falta de libido, incapacidade de ejacular ou atingir o orgasmo, falta de força ou perda de “masculinidade”.

Mito 2 – A impotência é “tudo na mente”

Menos de 20% dos casos de impotência têm uma causa psicológica primária. A maioria dos homens com impotência tem uma condição física subjacente, como diabetes, doenças cardíacas, pressão alta ou câncer de próstata. Estresse, ansiedade e perda de auto-estima são frequentemente fatores psicológicos secundários que ocorrem se a impotência permanecer sem diagnóstico e sem tratamento.

Mito 3 – A impotência é uma parte natural do envelhecimento

Embora seja evidente que as chances de ocorrer impotência aumentam com a idade, isso se deve em grande parte ao risco aumentado de ter uma condição física subjacente, como diabetes, pressão alta ou doença cardíaca. Para compor esse fator, vários medicamentos prescritos para essas condições podem causar impotência.

Mito 4 – Não há “cura” para a impotência

Embora a ciência médica não tenha encontrado uma “cura” permanente para a impotência, existem várias terapias muito eficazes. Medicamentos orais como o Viagra revolucionaram o tratamento da impotência, no entanto, as pílulas de impotência não funcionam para todos. Outros tratamentos seguros e eficazes incluem bombas de vácuo, injeções e implantes penianos.

Uma vez que a impotência é efetivamente tratada, a maioria dos homens continua levando uma vida sexual ativa e satisfatória.

Mito 5 – A impotência é um problema do homem

Ambos os parceiros em um relacionamento podem ter problemas quando a impotência não é tratada. Freqüentemente, a falta de comunicação e a negação do problema levam à depressão, ansiedade e falta de auto-estima para ambos os parceiros. Uma tendência a evitar o contato sexual geralmente pode deixar o parceiro se sentindo não amado, pouco atraente e indesejado.

Mito # 6 – A impotência é muito embaraçosa para discutir com alguém

Vários homens acham muito difícil discutir quaisquer problemas que possam estar enfrentando, principalmente a impotência. A impotência geralmente pode ser o sintoma de uma condição médica subjacente e não vai simplesmente “desaparecer” se não for tratada.

Uma vez diagnosticada a condição, o tratamento adequado pode começar imediatamente e o problema geralmente pode ser aliviado.

Mito 7 – Os homens devem saber tudo sobre sexo

O consenso geral de opinião é que os homens sabem instintivamente fazer sexo. Porém, estudos clínicos confirmam que a impotência pode resultar da falta de conhecimento e ignorância sobre a “mecânica” do sexo.

Um equívoco comum é que o sexo é um processo simples e direto para os homens. Não é verdade. Muitos homens acham difícil discutir o assunto, e fazer perguntas revelaria sua ignorância e falta de conhecimento e possivelmente ameaçaria sua masculinidade. As imagens da mídia do homem viril em ação servem apenas para alienar ainda mais os homens que não entendem “o básico”.

Conversar com um conselheiro ou terapeuta especialista esclarecerá rapidamente quaisquer equívocos e ajudará a superar problemas devido à falta de conhecimento.

Mito 8 – Os homens sempre querem sexo

O mito de que os homens estão sempre “prontos, dispostos e capazes” simplesmente não é verdade. Foi provado que o equívoco comumente adotado do “homem dominante” prejudica o bem-estar sexual, físico e psicológico de vários homens.

Um estudo sueco recente sobre exercícios para aumentar o pênis sexualidade e casamento, realizado em 286 casais de idades variadas, descobriu que homens que se consideravam o “homem dominante” eram mais propensos a experimentar impotência temporária se o sexo fosse solicitado por seu parceiro, quando eles não estavam em o humor.